Michaela Panter, PhD

Michaela Panter, PhD

Senior Academic Editor

PhD, Immunobiology
Yale University

Categorias Populares

Escrevendo um artigo

Toques finais

Escolhendo uma revista

Revisão por pares e publicação

Processo de pesquisa

Etica de publicação

Página inicial | Etica de publicação

Definindo plágio

Também disponível em English 한국어 日本語 español

Resumo

O plágio é uma forma de má conduta acadêmica e pode, dessa forma, resultar em demissão em universidades e outras instituições de pesquisa, em rejeição ou retirada de artigos de periódicos e em uma diminuição da credibilidade como pesquisador. Como você sabe se está cometendo plágio?

Artigos de pesquisa normalmente baseiam-se em ou revisam trabalhos anteriores e geralmente são essenciais para o sucesso na carreira acadêmica. No entanto, reciclar trabalhos anteriores ou referir-se a eles de maneira inadequada pode diminuir a probabilidade de publicação e prejudicar as perspectivas de uma carreira.

O Escritório de Integridade de Pesquisa dos Estados Unidos define plágio como “a apropriação de ideias, processos, resultados ou palavras de outra pessoa sem lhe dar o devido crédito”. Em outras palavras, plágio é escrever o pensamento original de alguém como se fosse seu próprio pensamento. Na verdade, a raiz latina da palavra plágio significa sequestrador ou ladrão. Tal roubo é uma forma de má conduta acadêmica e pode, portanto, resultar em demissão em universidades e outras instituições de pesquisa, em rejeição ou retirada de artigos de periódicos e em uma diminuição da credibilidade como pesquisador.

Este artigo sobre a definição de plágio e um artigo posterior sobre como evitar o plágio foram adaptados para um documento técnico disponível aqui para download.

Infelizmente, as pessoas ainda podem sentir-se tentadas a cometer plágio por inúmeras razões, incluindo a pressão para publicar, impulsionada pelo desejo de reconhecimento ou progressão na carreira, a ansiedade quando se tem que escrever em inglês, ou a dificuldade para expressar ideias complexas em suas próprias palavras. Embora muitas vezes pensemos em plágio como algo intencional, ele também pode ser acidental. A falta de cuidado ao escrever, a forte dependência de poucas fontes, a crença cultural que de “a imitação é a mais sincera forma de admiração” e a falta de compreensão sobre o que é o plágio são fatores que podem levar ao roubo intelectual inadvertido. As duas formas mais amplamente reconhecidas de plágio são:

Plágio verbatim

Consiste em copiar o trabalho de outra pessoa palavra por palavra. Se o conteúdo de várias fontes for duplicado, essa forma de plágio é conhecida como mosaico ou colcha de retalhos.

Plágio de ideias

Consiste em mencionar uma ideia original de outra pessoa, seja na forma de uma teoria, interpretação, método, dados, opinião ou nova terminologia, sem citar a sua fonte, mesmo que isso seja explicado com suas próprias palavras.

Outras formas de plágio

Além disso, existem várias outras formas de plágio menos compreendidas, mas igualmente preocupantes, que devem ser evitadas:

Paráfrase solta

Consiste em parafrasear o trabalho de outra pessoa com apenas pequenas alterações, mantendo efetivamente a lógica do outro autor ao mencionar a maioria ou todas as ideias. Observe que o fluxo de um argumento é, de fato, uma ideia original.

Plágio de fontes alternativas

Consiste em deixar de citar a fonte de conhecimentos disponíveis publicamente que não estão na literatura acadêmica. Assim como artigos de periódicos, fontes como livros, páginas da internet, blogs, palestras e comunicação pessoal (incluindo descrições de ideias não publicadas, com permissão) devem ser referenciadas se tiverem contribuído com informações originais para o seu artigo.

Autoplágio e publicação duplicada

Consiste em reciclar um texto próprio publicado anteriormente, em pequena escala (como reutilizar um parágrafo de um artigo na seção de Métodos de um segundo artigo) ou em maior escala (como publicar o mesmo artigo em dois periódicos diferentes), respectivamente. Essa talvez seja a categoria de plágio mais ignorada. Embora o autoplágio e a duplicação não envolvam o roubo de ideias originais de outras pessoas, essa prática não é ética, especialmente porque muitos periódicos pedem uma confirmação de que a pesquisa não tenha sido publicada em outros locais, e às vezes constitui uma violação da lei de direitos autorais.

Esperamos que a dica de hoje tenha esclarecido o conceito multifacetado de plágio. Veja também nossas dicas de como evitar o plágio e, como sempre, se tiver alguma dúvida, entre em contato conosco através do e-mail [email protected].

Tags Etica de publicação Escolha de palavras Plágio Parafrasear Citações Conteúdo para download

Artigos recentes

Sobre o autor Michaela Panter